sábado, 10 de junho de 2017

Pesadelo!


Pesadelo!

Cego no errante vício caminhante,
Hirtas árvores erguidas aos céus,
Força da sorte nas tábuas cortadas,
Repouso caído, fechado por pregos,
Firmemente cravados no madeiro,
Onde o corpo do filho do homem,
Padeceu cravado por minha incúria!
Revolvo nos pés rubras folhas,
Gastas e desgastas no tempo,
Como escritas num passado,
Que se quer esquecido, apagado,
Sombras disformes, humanas,
No pesadelo assombrado do sonho,
Que um dia este mísero homem,
Ousou sonhar a felicidade!

Sírio Andrade®
26/08/2015

quarta-feira, 25 de janeiro de 2017

Confissão



Confissão

Afaste de mim o gosto que eu não gosto
Acredite-me no que ainda não aposto
Encha-me o meu crescente e parco vazio
Noites sós em que de ti me distancio!

Sou apenas metade do que fui, não ligo
na perda do todo afastei de ti o perigo
crente fui eu na abnegação só amor, cego
em mim esconjuro a convicção, eu me renego!

Certezas clamaste que em ti edifico
nunca semelhantes aos atos que prático
fiz-me passar viscerais tormentos
nas palavras, carinhos e outros alentos!

deixo de mim versos escritos
de paixões, traições, e outros ditos
não espero remissão ou compaixão
na alma sei que não terei redenção!

no inferno onde resido e mantenho
sofrimento do pecado tudo o que tenho
apenas de mim, por amor a ti te peço
na verdade que hoje aqui confesso!

Ai de mim pobre e enganado pecador
prazeres da vida, fiquei com a dor
por narcisista egoísmo vi-me sofrer
a solidão que tenho até morrer!

Sírio de Andrade

quinta-feira, 14 de janeiro de 2016

Confesso


Confesso,
Dentro de dias irei internar-me,
Irei reabilitar-me deste vício,
Deste malvado vício,
Que é escrever para vós...
E quando estiver curado,
Começarei tudo outra vez...
Pois sem partilhar as palavras,
Nada sou!...
 
Sírio de Andrade
 
 

segunda-feira, 4 de janeiro de 2016

Tempos mornos, mornos tempos…


 

Nem frios nem quentes,
Nem iguais nem diferentes,
Nem perto nem distantes
Tempos em tudo iguais,
A uns qualquer tempos,
Um dia após o outro…
 
Que falta de imaginação?
Escrever sem direção,
Viver sem paixão, sem fé
Num ou outro prepósito
Num ou outro compósito
Apenas consciente a vida é como é?
 
Por que ser, parecer, sem fazer?
E se eu? E se tu?
Para que se’s?
Façamos acontecer,
Quebrem a monotonia
Que nos envidraça,
Na letargia dos tempos…
 
Inventemos,
Sonhemos,
Façamos acontecer
Saibamos viver…
 
Sírio de Andrade®

quarta-feira, 30 de dezembro de 2015

Contornos


Dou de mim,
De um corpo vazio
Dou de mim,
Do que não tenho
Dou de mim,
Do que imagino
Dou de mim,
Do que em mim invento!
 
Penso, não sinto
Sinto, não penso
Corro, ainda parado
Paro, estando correndo!
 
Reinvento-me,
Reescrevendo-me no passado,
Vivendo nas memórias momentâneas,
Desprezo dos homens, traído sentir
Numa suicida ansiedade
De me diluir no tempo…
 
Sírio de Andrade®
In: Antologia Depressiva

segunda-feira, 14 de dezembro de 2015

Poder de me dar ou tirar!



Olho-me no espelho
não reconheço a imagem disforme
do homem errático que se reflete
perdido nos sonhos rosa do mundo
encontro-me,
nas folhas que apodrecem
na berma suja da estrada
suspenso nos fungos que me consomem
eu, imagem perdida e abdicada de mim
por um tudo, que nada é de concreto
abjeto sentir que me condena
à doce loucura do suicídio
aí de mim, que tenho o poder
para me conceder ou abandonar a vida!

Sírio de Andrade®




 

quinta-feira, 10 de dezembro de 2015

Momentos de outra vida VII


… treme em privação todo o meu corpo, na abstinente e louca paixão, reclusa prisão de não te ter em mim,  ausente vontade do teu toque de midas,  digitalização do toque que me eleva à louca e orgásmica explosão hormonal, sentir com que me privas.

Madrasta vida, que me previa do másculo ser que me completa, na possuída vontade de dar corpo ao amor que me emana nos poros. Quero-te, no imediato, no já, angustiante espera… vem, chega, toma-me como tua que sou, promessa jurada, confirmada na virginal vontade de ser permanentemente tua, realiza em mim a loucura de fazer gemer todo o amor que me transborda, apenas na caricia afável da minha doce Alma!

Sírio de Andrade ®